Search


ÍNDICE:

 (tick) Orientação atualizada conforme o CNCGJ/2020.

1. ACORDO DE NÃO PERSECUÇÃO PENAL - INFORMAÇÕES GERAIS

A Lei nº 13.964/2019, a chamada de "Pacote Anticrime", acrescentou ao Código de Processo Penal o art. 28-A e a previsão legal a respeito do Acordo de Não Persecução Penal (ANPP).


Art. 28-A. Não sendo caso de arquivamento e tendo o investigado confessado formal e circunstancialmente a prática de infração penal sem violência ou grave ameaça e com pena mínima inferior a 4 (quatro) anos, o Ministério Público poderá propor acordo de não persecução penal, desde que necessário e suficiente para reprovação e prevenção do crime, mediante as seguintes condições ajustadas cumulativa e alternativamente:

I - reparar o dano ou restituir a coisa à vítima, exceto na impossibilidade de fazê-lo;

II - renunciar voluntariamente a bens e direitos indicados pelo Ministério Público como instrumentos, produto ou proveito do crime;

III - prestar serviço à comunidade ou a entidades públicas por período correspondente à pena mínima cominada ao delito diminuída de um a dois terços, em local a ser indicado pelo juízo da execução, na forma do art. 46 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal);

IV - pagar prestação pecuniária, a ser estipulada nos termos do art. 45 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), a entidade pública ou de interesse social, a ser indicada pelo juízo da execução, que tenha, preferencialmente, como função proteger bens jurídicos iguais ou semelhantes aos aparentemente lesados pelo delito; ou

V - cumprir, por prazo determinado, outra condição indicada pelo Ministério Público, desde que proporcional e compatível com a infração penal imputada.

§ 1º Para aferição da pena mínima cominada ao delito a que se refere o caput deste artigo, serão consideradas as causas de aumento e diminuição aplicáveis ao caso concreto.

§ 2º O disposto no caput deste artigo não se aplica nas seguintes hipóteses:

I - se for cabível transação penal de competência dos Juizados Especiais Criminais, nos termos da lei;

II - se o investigado for reincidente ou se houver elementos probatórios que indiquem conduta criminal habitual, reiterada ou profissional, exceto se insignificantes as infrações penais pretéritas;

III - ter sido o agente beneficiado nos 5 (cinco) anos anteriores ao cometimento da infração, em acordo de não persecução penal, transação penal ou suspensão condicional do processo; e

IV - nos crimes praticados no âmbito de violência doméstica ou familiar, ou praticados contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, em favor do agressor.

§ 3º O acordo de não persecução penal será formalizado por escrito e será firmado pelo membro do Ministério Público, pelo investigado e por seu defensor.

§ 4º Para a homologação do acordo de não persecução penal, será realizada audiência na qual o juiz deverá verificar a sua voluntariedade, por meio da oitiva do investigado na presença do seu defensor, e sua legalidade.

§ 5º Se o juiz considerar inadequadas, insuficientes ou abusivas as condições dispostas no acordo de não persecução penal, devolverá os autos ao Ministério Público para que seja reformulada a proposta de acordo, com concordância do investigado e seu defensor.

§ 6º Homologado judicialmente o acordo de não persecução penal, o juiz devolverá os autos ao Ministério Público para que inicie sua execução perante o juízo de execução penal.

§ 7º O juiz poderá recusar homologação à proposta que não atender aos requisitos legais ou quando não for realizada a adequação a que se refere o § 5º deste artigo.

§ 8º Recusada a homologação, o juiz devolverá os autos ao Ministério Público para a análise da necessidade de complementação das investigações ou o oferecimento da denúncia.

§ 9º A vítima será intimada da homologação do acordo de não persecução penal e de seu descumprimento.

§ 10. Descumpridas quaisquer das condições estipuladas no acordo de não persecução penal, o Ministério Público deverá comunicar ao juízo, para fins de sua rescisão e posterior oferecimento de denúncia.

§ 11. O descumprimento do acordo de não persecução penal pelo investigado também poderá ser utilizado pelo Ministério Público como justificativa para o eventual não oferecimento de suspensão condicional do processo.

§ 12. A celebração e o cumprimento do acordo de não persecução penal não constarão de certidão de antecedentes criminais, exceto para os fins previstos no inciso III do § 2º deste artigo.

§ 13. Cumprido integralmente o acordo de não persecução penal, o juízo competente decretará a extinção de punibilidade.

§ 14. No caso de recusa, por parte do Ministério Público, em propor o acordo de não persecução penal, o investigado poderá requerer a remessa dos autos a órgão superior, na forma do art. 28 deste Código.


O Ministério Público poderá propor Acordo de Não Persecução Penal quando necessário e suficiente para a reprovação e prevenção da conduta delitiva. 

É um benefício que evita o processo criminal mediante o compromisso do cumprimento de certas obrigações assumidas por aquele que confessa o delito, desde que preenchidos os requisitos exigidos: não ser caso de arquivamento, confissão formal e circunstancial pelo investigado, prática de infração penal sem violência ou grave ameaça, pena mínima do delito inferior a 4 (quatro) anos (art. 28-A, caput do CPP).

O acordo será formalizado por escrito e será firmado pelo membro do Ministério Público, pelo investigado e por seu defensor (Art. 28-A, §3º do CPP).

Os procedimentos referentes ao ANPP estão previstos nos arts. 503 e 603, do atual Código de Normas da Corregedoria-Geral de Justiça: ACRESCENTADO EM 19.01.21


Art. 503 - Homologado pelo magistrado o acordo de não persecução penal - ANPP proposto na forma do art. 28-A do Código de Processo Penal, o cartório abrirá vista ao Ministério Público, para que inicie sua execução perante o juízo competente.

§1º. Além de outras providências determinadas pelo magistrado, o cartório deverá:
I - providenciar a intimação da vítima;

II - lançar evento correspondente no Histórico de Partes e alterar o cadastro do processo, a fim de obstar o apontamento nas certidões criminais; e,

III - aguardar o prazo de 30 (trinta) dias para o Ministério Público efetuar a distribuição do ANPP na vara competente.

§2º. Recebida a comunicação da distribuição do ANPP pelo juízo da Execução, o cartório lançará a informação correspondente no Histórico de Partes e moverá o
processo para o arquivo provisório.

§3º. Caso a vara da Execução não informe a distribuição do ANPP, o cartório deverá intimar o Ministério Público para se manifestar nos autos.

§4º. Recebida a informação sobre o cumprimento do ANPP, o cartório desarquivará os autos, atualizará o Histórico de Partes e fará conclusão do processo.

§5º. Informado o descumprimento do ANPP, o cartório deverá:

I - desarquivar o processo;

II - lançar os eventos correspondentes no Histórico de Partes e alterar o cadastro do processo, a fim de reativar a parte;

III - intimar a vítima acerca do descumprimento; e,

IV - intimar o MP para dar prosseguimento ao feito.

§6º. Nas hipóteses em que as condições fixadas sejam cumpridas de forma instantânea (renúncia a bens e direitos, restituição do bem à vítima, prestação pecuniária etc.), dispensa-se o ajuizamento de execução perante o juízo das execuções penais, devendo, neste caso, o próprio juízo que homologou o ANPP extinguir, desde logo, a punibilidade do agente.

Art. 603 - A execução do acordo de não persecução penal - ANPP será distribuída pelo Ministério Público ao juízo competente, no sistema SEEU.

§1º. Após o recebimento inicial pelo magistrado o cartório deverá:
I - oficiar ao juízo do processo de conhecimento, informando a distribuição da ação de execução do ANPP e o número correlato; e,

II - intimar o beneficiado para que dê início ao cumprimento das condições impostas.

§2º. Cumprido o ANPP, o cartório remeterá o processo ao Ministério Público e, a seguir, ao magistrado, para avaliação acerca da declaração da extinção de punibilidade do beneficiado.

§3º. Declarada extinta a punibilidade, após as intimações de praxe, o cartório oficiará ao juízo de origem, remetendo cópia da sentença.

§4º. Não sendo cumprido o ANPP, o cartório deverá:

I - certificar e remeter os autos com vista ao MP e posterior conclusão ao magistrado, para análise da pertinência da rescisão do acordo; e,

II - havendo rescisão do ANPP, oficiar ao juízo de origem, encaminhando-lhe a decisão.

IMPORTANTE

(warning) Conforme o art. 28-A, § 12º, do CPP, a celebração e o cumprimento do ANPP não constarão de certidão de antecedentes criminais, todavia a redação dispõe a exceção prevista no inciso III do §2º do mesmo artigo, ou seja, para analisar se o agente foi beneficiado nos 5 (cinco) anos anteriores ao cometimento da infração, em acordo de não persecução penal, transação penal ou suspensão condicional do processo, pois nestes casos não poderá gozar de novo acordo de persecução penal.

Assim, é necessário fazer as comunicações ao SIDII e SINIC visando constar este apontamento na folha corrida do indivíduo, no intuito de os magistrados tenham conhecimento da ANPP realizada. Só não deverá constar na certidão de antecedentes criminais (para fins externos).

A comunicação do SINIC deverá ser feita conforme as orientações disponíveis em SINIC - Sistema Nacional de Informações CriminaisATUALIZADO EM 13.10.21

A comunicação ao SIDII deverá ser feita via sistema de integração. Dessa forma, para que haja o envio das informações é necessário o correto preenchimento do histórico de partes. ATUALIZADO EM 08.11.21

1.1. Impossibilidade de aplicação do ANPP

Consoante o § 2º do art. 28-A do CPP, o acordo não será aplicado nas seguintes hipóteses:

  • Quando for aplicável/cabível a transação penal (Juizados Especiais Criminais);
  • Caso o investigado for reincidente ou existirem provas que indiquem uma conduta criminal habitual, reiterada ou profissional, salvo se irrelevantes as anteriores infrações;
  • Ter sido favorecido com acordo de não persecução penal, transação penal ou suspensão condicional do processo nos 05 (cinco) anos anteriores ao cometimento da infração;
  • No caso de crime relacionado à violência doméstica ou familiar ou praticados contra a mulher por razão da condição de sexo feminino, em favor do ofensor. 


ATENÇÃO!

A celebração e o cumprimento do acordo de não persecução penal NÃO constarão de certidão de antecedentes criminais, exceto para os fins de verificação de novo benefício (art. 28-A, § 12º do CPP).

Assim, a celebração e o cumprimento do ANPP deverão constar nos antecedentes para conhecimento dos magistrados e análise a respeito da concessão do benefício, contudo não deverão constar nas certidões criminais para fins civis. ACRESCENTADO EM 19.01.21

2. FASE DE CONHECIMENTO – SISTEMA SAJ-PG

2.1. Procedimentos

Realizada a audiência e homologado judicialmente o ANPP, autos serão devolvidos ao Ministério Público para que ele inicie a execução junto ao juízo de execução penal (art. 28-A, § 6º do CPP e art. 503, caput, do CNCGJ/2020). Após, o cartório deverá (conforme art. 503, §§1º a 3º do CNCGJ/2020):

a) Lançar o evento 978 – Homologação de Acordo de Não Persecução Penal no Histórico de Partes, que promoverá a baixa da parte, obstando o apontamento nas certidões criminais, conforme previsão do art. 28-A, §12 do CPP;

b) corrigir o tipo de participação do acusado no cadastro do processo para que passe a constar como 256 – Beneficiado – Art. 28-A do CPP. O procedimento será realizado por meio do menu Cadastro → Partes e Representantes.

c) após a intimação da vítima, se for o caso (art. 28-A, § 9º do CPP), movimentar o processo para a fila 7 – Ag. Decurso de prazo pelo prazo de 30 (trinta) dias, fazendo constar na observação da fila e na descrição da pendência da fila, a informação padronizada de que o feito aguarda a distribuição da execução do ANPP pelo Ministério Público na vara competente;

d) assim que recebida a comunicação acerca da distribuição da execução do ANPP, lançar o evento 975 – Início da Execução – Acordo de Não Persecução Penal no Histórico de Partes, inserindo no complemento o número da “execução” cadastrada;

e) mover o processo para a fila 130 – Arquivo Provisório (caso exista apenas um indiciado/réu no processo ou todos tenham sido beneficiados com o acordo), fazendo constar que o processo aguarda o cumprimento do ANPP, bem como o número da execução cadastrada e a data do término do prazo;

f) caso a Vara de Execução não informe a distribuição, o servidor deverá certificar o decurso de prazo e intimar o MP para se manifestar nos autos. Com a informação acerca da distribuição da execução do ANPP, proceder conforme o item "e" acima. 

2.2. Do Cumprimento do ANPP

Recebida a comunicação acerca do cumprimento do ANPP, desarquivar os autos e lançar o evento 976 – Acordo de Não Persecução Penal Cumprido, informando no campo Complemento as informações referentes à sentença de extinção de punibilidade (art. 503, §4º, do CNCGJ/2020).

Após realizar as comunicações de praxe, destinações de bens, etc, mover o feito para a fila 8 – Processos arquivados (caso exista apenas um indiciado/réu no processo ou todos tenham cumprido o acordo).


2.3. Do Descumprimento do ANPP

Caso o juízo da execução informe que o ANPP foi descumprido, o cartório deverá (conforme art. 503, §5º, do CNCGJ/2020): 

a) desarquivar o processo;

b) lançar os eventos 849 – Reativa a parte e 977 – Descumprimento/Rescisão de Acordo de Não Persecução Penal no Histórico de Partes;

c) alterar o tipo de participação de 256 – Beneficiado – Art. 28-A do CPP para aquele anterior ao da homologação do acordo; e

d) intimar a vítima acerca do descumprimento; 

e) intimar o MP para prosseguimento do feito e posterior oferecimento da denúncia.

Após, seguir os demais trâmites processuais para prosseguimento do feito.

IMPORTANTE

Verificar se a vítima foi intimada acerca do descumprimento do acordo. Caso negativo, intimá-la conforme preceitua o art. 28-A, §9º do CPP.


2.4. Do Cumprimento Instantâneo do ANPP

Caso ocorra o cumprimento instantâneo das condições do ANPP pelo beneficiado, poderá o juízo de conhecimento decretar a extinção da punibilidade, cabendo a ele proceder às demais providências de praxe. Eis o que prevê o art. 503, §6º, do CNCGJ/2020:

Art. 503, §6º. Nas hipóteses em que as condições fixadas sejam cumpridas de forma instantânea (renúncia a bens e direitos, restituição do bem à vítima, prestação pecuniária etc.), dispensa-se o ajuizamento de execução perante o juízo das execuções penais, devendo, neste caso, o próprio juízo que homologou o ANPP extinguir, desde logo, a punibilidade do agente.

Assim, cumprido o ANPP homologado, encaminhar o processo ao Ministério Público para manifestação e, a seguir, ao magistrado, para avaliação acerca da declaração da extinção de punibilidade do beneficiado.

Declarada extinta a punibilidade, e após as intimações necessárias, lançar os eventos 976 – Acordo de Não Persecução Penal Cumprido 123 – Extinção de Punibilidade no Histórico de Partes. 

Após realizar as comunicações de praxe, destinações de bens, etc., remeter o feito para a fila 8 – Processos arquivados (caso exista apenas um indiciado/réu no processo ou todos tenham cumprido o acordo).


2.5. Implementações no Sistema SAJ-PG para atender ao ANPP

a) Tipo de Participação

Foi criado o tipo de participação 256 – Beneficiado – Art. 28-A do CPP, para utilização nos casos em que houver homologação o ANPP. Assim, deve-se alterar o tipo de participação da parte passiva no Cadastro da Parte após a homologação do ANPP pelo magistrado. Vide item 2.1 acima.

b) Movimentações

Foram disponibilizadas nas Tabelas Processuais do CNJ, os seguintes tipos de movimentações de magistrados: 

MovimentaçãoTipo de movimentaçãoRamificação
12733 – Homologação do Acordo de Não Persecução PenalDecisãoSeguindo a tabela de movimentos do CNJ, está inserida na ramificação 3 - Decisão → Homologação
12734 – Revogação do Acordo de Não Persecução PenalDecisãoSeguindo a tabela de movimentos do CNJ, está inserida na ramificação 3 - Decisão → Revogação
12735 – Extinção de Punibilidade em Razão do Cumprimento de Acordo de Não Persecução PenalSentençaSeguindo a tabela de movimentos do CNJ, está inserida na ramificação 385 - Com Resolução do Mérito → 973 - Extinção de Punibilidade

c) Eventos do Histórico de Partes

Para possibilitar a tramitação do ANPP, foram criados os seguintes eventos no Histórico de Partes, os quais são de preenchimento obrigatório, sem prejuízo do lançamento dos demais eventos:


SITUAÇÕES

978 – Homologação de Acordo de Não Persecução Penal

Ação de conhecimento – registra a homologação do ANPP pelo juízo do conhecimento, propicia a baixa da parte nos autos, visa obstar o apontamento nas certidões de antecedentes criminais, conforme §12 do art. 28-A do CPP. 

975 – Início da Execução – Acordo de Não Persecução Penal

Ação de conhecimento – indica que a Execução foi distribuída no juízo da Execução Penal, inserindo no complemento o número da execução cadastrada.

976 – Acordo de Não Persecução Penal Cumprido

Ação de conhecimento – Registro do cumprimento do ANPP. 

977 – Descumprimento/Rescisão de Acordo de Não Persecução Penal

Ação de conhecimento – Registro no sistema de que o ANPP foi descumprido pelo beneficiado. Permite a inserção da informação de que será dado início à Ação Penal, com o consequente julgamento do mérito. 


3. FASE DE EXECUÇÃO DO ANPP – SISTEMA SEEU 

Em 22.6.2020, o Conselho Nacional de Justiça realizou adequações no SEEU para que este recepcione, na execução penal, as execuções advindas da homologação do ANPP, bem como outros procedimentos para comportar as necessidades do novo pacote anticrime.

Assim, doravante, os ANPP´s tramitarão no sistema SEEU


3.1. Varas Competentes para a Execução do ANPP

A competência para o processamento das execuções do ANPP será das seguintes varas (artigos 572 e 574 do CNCGJ/2020):

COMARCA(S)VARA(S)
Campo Grande2ª Vara de Execução Penal de Campo Grande (CEPA)
Demais comarcasVara de Execução Penal com competência para as execuções de sentenças de réus condenados ao cumprimento de pena no regime aberto.


3.2. Do Cadastro e Distribuição da Execução do ANPP

As execuções do ANPP serão ajuizadas e cadastradas pelo Ministério Público no sistema SEEU, conforme dispõe o art. 28-A, § 6º do CPP "homologado judicialmente o acordo de não persecução penal, o juiz devolverá os autos ao Ministério Público para que inicie sua execução perante o juízo de execução penal" e o art. 603, caput, do CNCGJ/2020. 

Conforme orientações prestadas pelo CNJ, já está disponível o cadastro do ANPP ao Promotor de Justiça habilitado na Vara de Meio aberto da respectiva Comarca onde atua no âmbito da execução penal, por meio da Mesa do Membro do Ministério Público, menu ProcessosCadastrar Acordo de Não Persecução Penal. 

Após o cadastramento pelo MP, caberá ao Distribuidor do SEEU direcioná-lo para a Vara competente para a execução.


CLASSEASSUNTO
12729 – Execução de Medidas Alternativas12730 – Acordo de Não Persecução Penal

ATENÇÃO!

(tick) É de extrema importância a verificação se o cadastro foi realizado corretamente, tendo em vista que o cadastramento em classe diversa poderá refletir na Certidão de Antecedentes do indivíduo, bem como na concessão indevida do benefício do ANPP (art. 28, §§ 2º e 12º do CPP).

(error) A Execução do ANPP NÃO deve ser juntada a uma Execução de Pena que porventura esteja tramitando em desfavor da pessoa, tendo em vista que não se trata de condenação. São processos independentes.


3.2.1. Cadastro do ANPP pelo Cartório

As Varas de Execução Penais ficarão responsáveis pelo cadastramento dos ANPP´s que porventura tenham iniciado e estejam em trâmite no sistema SAJ-PG. 1

ATENÇÃO!

(tick) O cadastro do ANPP deve ser realizado diretamente no SEEU.

(error) Os documentos relativos à ANPP não devem ser extraídos do SAJ e encaminhados via SCDPA ao Distribuidor SEEU.

(tick) Ao SCDPA do Distribuidor SEEU deverá ser encaminhado somente Guia de Recolhimento/Carta de Guia das condenações penais.

Para cadastrar o Acordo de Não Persecução Penal, o Chefe de Cartório ou o servidor por ele indicado, deve acessar a Mesa do Analista Judiciário, clicar na aba Processos e, após em Cadastrar Acordo de Não Persecução Penal.

Será aberta a tela de Cadastro do Processo, desta forma seguir o passo a passo descrito abaixo visando o cadastro do ANPP. 

Em Informações Iniciais, estará automaticamente preenchido as informações referentes ao Tribunal, Localidade e Competência (Vara), estando corretos, clicar em Próximo Passo.

Em seguida, em Informações Processuais, consta como Classe Processual (1) 12729 - Execução de Medidas Alternativas e Assunto Principal (2) 12730 - Acordo de Não Persecução Penal, estando estes selecionados, clicar em Próximo Passo (3)

Após, em Partes do Processo, clicar em Adicionar para vincular aos autos a parte ré. 

No Cadastro da Parte, clicar na lupa ao lado do campo Nome, para realizar a busca. 

Pesquisar o nome do réu, escolher (1) e selecionar (2) a parte correta. Caso ainda não exista o cadastro, clicar em Criar Novo (3) e preencher com todos os dados correspondentes ao réu.

Após conferir os dados da parte ré, selecionar o endereço e clicar em Confirmar Seleção.

De volta à tela de Cadastro de Parte, clicar em Salvar

Após salvar o Cadastro da Parte, o sistema volta para a tela de Partes do Processo, nesta clicar em Próximo Passo

Em Representantes, preencher com os dados do representante legal, se houver, ou deixar em branco e clicar em Próximo Passo. Obs. Esta aba não trata de advogados/defensores.

No campo Advogados, existindo advogado/defensor vinculado ao réu clicar em Adicionar, caso contrário, apenas clique em Próximo Passo

E, em Informações Adicionais, clicar em Próximo Passo.

Na tela Juntada de Documentos, clicar em Adicionar para juntar ao cadastro os documentos relacionados ao ANPP (como, por exemplo a decisão de homologação do ANPP).

Posteriormente, abrirá a tela Inserir Arquivo, nesta clicar em Escolher arquivos.  Antes de inserir os documentos, verificar se os mesmos já estão salvos no formato PDF e salvos no computador. 

Após, assinar o arquivo selecionado por meio da opção Assinar com Certificado.

Assinado o arquivo, clicar em Confirmar Inclusão.

Após a Juntada de Documentos ser realizada, clicar em Próximo Passo.

Em seguida será aberta a tela de Características do Processo que contém o campo Prioridade, o qual somente será preenchido se houver alguma prioridade determinada pelo magistrado ou nos casos previstos em lei.

Após, clicar em Salvar para concluir o cadastro do ANPP. 

3.3. Cadastro da Condição de Não Persecução Penal no SEEU

Acessando os autos do ANPP em trâmite no SEEU, deverão ser cadastradas as condições definidas no acordo de não persecução penal. 

Para realizar o cadastro, clicar na aba Informações Adicionais dos autos do ANPP e em Sentenciado sem Condição de Não Persecução Penal (clique para cadastrar).

Em seguida, na tela de Cadastro da Condição de Não Persecução, colocar em Data de Início (1) aquela correspondente ao dia do acordo firmado, informar o Número do Processo Principal (2) que é o número do próprio ANPP cadastrado no SEEU e clicar em Novo (3)

Obs.: o SEEU não permite inserir o número do processo de conhecimento que tramita no SAJ neste campo.

Após, selecionar o tipo de medida alternativa que foi acordada no ANPP homologado. 

De acordo com o tipo de medida selecionado é que os dados pertinentes serão habilitados. 

Por exemplo, no caso da medida de prestação pecuniária, colocar o Valor (1) devido, o Nº de Parcelas Previsto (2), como Destinatário (3) selecionar como Entidade Beneficiada: Subconta Judicial, e em Observação (4) descrever o acordado na audiência de homologação do ANPP.

Caso haja necessidade de controle de datas, colocar a data do Início (vencimento da 1ª parcela) (5), a Periodicidade (6) em que deverá ser realizado o pagamento e clicar em Gerar Datas (7). Assim, são geradas as datas para controle do cumprimento da medida.

Em seguida, clicar em Salvar (8)

De volta à tela de Cadastro de Condição de Não Persecução Penal, agora com a(s) medida(s) alternativa(s) vinculadas, selecionar esta e clicar em Salvar

Assim, a condição acordada estará cadastrada no processo e na aba Informações Adicionais do ANPP constará a informação: Sentenciado com Condição de Não Persecução Penal.

Ao clicar nesta informação, é possível a verificação e controle das condições que foram cadastradas.

Para realizar o controle do cumprimento da condição, clicar sobre a mesma.

Na tela de controle de cumprimento da condição imposta, ao clicar no número da parcela, poderá ser juntado pelo cartório o comprovante de cumprimento respectivo, conforme item 1.1. Juntada do cumprimento da medida informada por meio de peticionamento ou item 1.2. Juntada de Certidão de Comparecimento da orientação Controle de Cumprimento/Comparecimento do Sentenciado - SEEU

INFORMAÇÃO!

Conforme mencionado pelo Conselho Nacional de Justiça no Webinário realizado no dia 24.6.2020, para a tramitação do ANPP serão utilizadas as mesmas ferramentas para fiscalização do cumprimento das penas alternativas. Vide orientação Controle de Cumprimento/Comparecimento do Sentenciado - SEEU.


3.4. Procedimentos para a Execução do ANPP

Proposta a ação de execução do ANPP pelo MP, após o seu recebimento inicial pelo magistrado, o cartório deverá, em conformidade com o art. 603, §§1º a 3º, do CNCGJ/2020:

a) oficiar ao Juízo do Conhecimento, informando a distribuição da ação de execução do ANPP e o número correlato; 

b) intimar o beneficiado para que dê início ao cumprimento das condições impostas; 

c) cumprido o ANPP, remeter o processo ao MP e, a seguir, ao magistrado, para avaliação acerca da declaração da extinção de punibilidade do beneficiado; 

d) declarada extinta a punibilidade, após as intimações de praxe, se for o caso, oficiar ao juízo de origem, remetendo cópia da sentença;

e) após todos os atos de praxe, arquivar o feito.


3.5. Do Descumprimento do ANPP

Não sendo cumprido o ANPP, o cartório deverá, em conformidade com o art. 603, §4º, do CNCGJ/2020:

a) certificar, remeter os autos com vista ao MP e posterior conclusão ao magistrado, para análise da pertinência da rescisão do acordo;

b) havendo rescisão do ANPP, oficiar ao Juízo de origem informando que ocorreu a rescisão do ANPP;

c) após as intimações/providências de praxe, arquivar o processo.

IMPORTANTE

A vítima deverá ser intimada a respeito do descumprimento do acordo de não persecução penal, conforme Art. 28-A, §9º do CPP.



  1. Conforme informado no Webinário do CNJ do dia 24.6.2020 e decidido nos autos do Pedido de Providências nº 126.621.0004/2020. 


(warning) Evite impressões, consulte sempre o GPS. Orientação sujeita a alterações.

  • No labels